Seguidores

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

MPF DENUNCIA 21 POR HOMICÍDIO EM TRAGÉDIA DE BARRAGEM

Minas 247 - O Ministério Público Federal (MPF) denunciou, nesta quinta-feira (20), 21 pessoas da Samarco e suas controladoras, Vale e BHP Billiton, por homicídio com dolo eventual (quando se assume o risco de matar) em consequência do rompimento da barragem de Fundão, em novembro do ano passado, na cidade de Mariana, região central de Minas. Eles são acusados pelos crimes de inundação, desabamento e lesões corporais graves e crimes ambientais. A Vale, BHP Billiton e Samarco também foram condenadas por crime ambiental –contra a fauna, flora, poluição e contra o ordenamento urbano. A Procuradoria também denunciou um engenheiro da consultoria VogBR e a empresa por apresentar laudo falso. O que foi considerado o maior desastre ambiental da história do País deixou 19 pessoas mortas.
Entre os denunciados por homicídio estão o ex-­presidente da Samarco Ricardo Vescovi, e o ex­-número dois da empresa, Kleber Terra, além de integrantes do conselho de administração da empresa, entre eles dois americanos, um britânico, um francês, um sul­africano e um australiano.
Três gerentes da Samarco – Wagner Milagres, Germano Lopes e  Daviely Rodrigo - também estão entre os acusados sob suspeita de homicídio com dolo eventual.
Multas. O Conselho de Política Ambiental de Minas Gerais (Copam) confirmou nessa terça-feira (19) em última instância uma multa de R$ 112 milhões contra a Mineradora Samarco.
O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) aplicou cinco multas à mineradora que, somadas, totalizam R$ 250 milhões. As penas foram emitidas no dia 11 de novembro.
O Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) do Espírito Santo aplicou três. Duas delas somam R$ 450 mil e foram emitidas no dia 8 de novembro. A terceira multa era diária no valor de R$ 50 mil e foi determinada no dia 20 de novembro.
A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) aplicou 18 multas que somam mais de R$ 68,6 milhões no dias 9 e 15 de março por descumprimentos de solicitações e prazos estabelecidos pela Semad, além do prejuízo e dano ambiental causado pelo rompimento da barragem.  
 
Fonte: Brasil 247/ Cidades: História e Cotidiano

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.