Seguidores

sábado, 30 de janeiro de 2016

Chikungunya ocasiona nova doença no Brasil

A índia xucuru Daniele Marques de Santana, de 17 anos, que morreu no Hospital da Restauração (HR) no dia 7 de janeiro de causas na época desconhecidas após apresentar déficit motor e sintomas de arbovirose, teve o resultado de seus exames divulgado em coletiva realizada nesta sexta-feira (29/1). Os testes concluíram que Daniele teve um quadro de chikungunya e, em seguida, miosite. O resultado surpreende: este é o primeiro caso conhecido na literatura médica brasileira de miosite causada por chikungunya. Em seus estudos, a doutora Lúcia Brito, chefe do setor de neurologia do Hospital da Restauração (HR) e representante no Nordeste da Academia Brasileira de Neurologia, encontrou apenas quatro casos anteriores da mesma ocorrência em todo o mundo. Foi no período de 2013 e 2014, na Índia, durante uma epidemia de arboviroses. A miosite é uma doença naturalmente rara, que causa inflamação dos músculos e pode levar à insuficiência respiratória. Quando aguda, como no caso de Daniele, é grave e precisa ser tratada com celeridade. Inicialmente, corria o rumor de que a jovem havia morrido em decorrência de Guillain-Barré, doença neurológica que tem surgido em pacientes que apresentam um quadro anterior de zika vírus. “Guillain-Barré e miosite dão paralisia flácida, podem acometer o músculo da respiração. Mas Guillain-Barré acomete os nervos e miosite os músculos”, diferencia Brito. Dos 150 casos de complicações neurológicas registrados pelo Hospital da Restauração (HR) em 2015, 99 foram revistos, 55 deram positivo para Guillain-Barré. Pernambuco registra dez mortes dentro do grupo de 150, nove por GB e a décima, agora, por miosite. No segundo semestre de 2015, o número de casos de GB diminuíram. Parece ser uma boa notícia, mas não é bem assim. Segundo a doutora Lúcia Brito, apareceram mais casos de mielite. “Mielite é uma situação mais grave. Quando ela aparece, o individuo tem déficit motor, praticamente não move as pernas e pode acometer os braços e como é o tecido medular, não é nervo, a recuperação é mais difícil”, explica. Pernambuco já contabiliza cerca de 30 casos de mielite. Durante a coletiva, a doutora aproveitou para reforçar que as pessoas procurem um médico caso sintam os sintomas. “Se após uma virose a pessoa apresentar paralisia na face, nos membros, sensação de dormência nos membros, déficit motor, sinais de agressividade ou estarem desconexas, falando coisas sem sentido, devem procurar cuidado porque esses são sinais de alerta”, afirma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.