Seguidores

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Dólar ultrapassa R$ 4 pela primeira vez em quase três meses

No dia em que o ex-ministro do Planejamento Nelson Barbosa assumiu a pasta da Fazenda, o dólar voltou a subir e fechou acima de R$ 4 pela primeira vez em quase três meses.
O dólar comercial encerrou a segunda-feira (21) vendido a R$ 4,023, com alta de R$ 0,076 (1,93%). Foi o maior valor desde 29 de setembro (R$ 4,059). O dia também foi de perdas na Bolsa de Valores de São Paulo, que caiu pela segunda vez seguida e voltou a encerrar no menor nível em mais de seis anos.

A moeda norte-americana começou o dia em alta, mas, até as 12h30, estava abaixo de R$ 4. A Bolsa, que chegou a abrir com pequena alta, passou a cair depois do mesmo horário. As cotações pioraram depois da primeira teleconferência de Barbosa com investidores do mercado financeiro.

Apesar de o ministro ter se comprometido a manter a direção da política econômica, os indicadores se deterioraram após a conversa.

Números
Na conversa, Barbosa prometeu dar prioridade ao ajuste fiscal e ao combate à inflação. Ele defendeu ainda a reforma da Previdência, que institui a idade mínima para aposentadoria. Com o desempenho de ontem, a moeda norte-americana acumula alta de 3,51% em dezembro e de 51,3% em 2015.

A segunda-feira também foi de fortes perdas na Bolsa de Valores. O Ibovespa, índice da Bolsa de Valores de São Paulo, caiu 1,34% e encerrou o dia em 43.321 pontos, no menor nível desde abril de 2009, no auge da crise provocada pelo estouro da bolha imobiliária nos Estados Unidos.

Alta ajuda a melhorar contas externas
Brasília (AE) - A recessão econômica e a alta do dólar continuarão a dar o tom de melhora das contas externas em 2016. Não pelos bons, mas pelo maus motivos. O Banco Central apresentou ontem sua primeira estimativa para o déficit das transações correntes do ano que vem: US$ 41 bilhões. Essa quantia, se confirmada, será um terço menor do que a nova previsão da autarquia para este ano, de US$ 62 bilhões e que já representa uma queda de 40% na comparação com 2014.

O que leva os números a ainda ficarem no vermelho, mas numa proporção menor, é que a retração econômica, somada à avaliação de que o dólar ainda continuará a subir, fará, por exemplo, com que o brasileiro pense duas vezes antes de viajar para o exterior. A expectativa do BC é que esses gastos caiam de US$ 11,7 bilhões em 2015 para US$ 9 bilhões em 2016. Reflexo da variação cambial, apenas em novembro essa conta foi de US$ 505 milhões, menos de metade do que se viu em igual mês de 2014 (US$ 1,2 bilhão).

A atividade mais fraca também faz as empresas diminuírem as margens e, consequentemente, enviarem menos lucros e dividendos para suas matrizes lá fora. Para este e o próximo ano, é esperada uma remessa de US$ 20 bilhões. Em 2015 até novembro, essa conta já está em US$ 16,8 bilhões.
 
Via: O Mural de Riacho da Cruz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.