Seguidores

sábado, 14 de novembro de 2015

FORTALEZA/CE: GUERRA DO TRÁFICO DEIXA 11 MORTOS NA MADRUGADA DE QUINTA EM TIROTEIOS NO CURIÓ E SÃO MIGUEL, EM MESSEJANA


Pelo menos, 11 pessoas foram mortas na madrugada desta quinta-feira (12/11) em Fortaleza num confronto que envolveu duas quadrilhas de traficantes dos bairros Curió e Conjunto São Miguel, na Grande Messejana. Quatro seguidos tiroteios tiveram início por volta da meia-noite e se estenderam até às 3 horas, deixando um saldo de sete mortos nas ruas e becos das duas comunidades. Outros nove homens baleados foram levados para o “Frotinha” de Messejana e destes, quatro faleceram.
Os corpos foram recolhidos pela Perícia Forense após o trabalho de policiais da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) nos locais dos crimes. A Polícia Militar reforçou a segurança naquela área da cidade, mas ainda durante a manhã bandidos tentaram incendiar um ônibus no São Miguel.
O confronto entre as gangues teve início, segundo registros da Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops), por volta de 0h26, quando um tiroteio deixou dois mortos no Curió. Apenas 34 minutos depois do duplo homicídio, exatamente a 1 hora, outro confronto matou um jovem na Lagoa Redonda.
A seguir, a violência se concentrou no bairro São Miguel, onde por volta de 2h25, mais uma pessoa foi assassinada na Rua Elza Leite de Albuquerque. Trinta e cinco minutos depois, outro tiroteio deixou dois mortos no local e mais três feridos, que foram socorridos por comparsas em um veículo e deixados na porta do “Frotinha” de Messejana. Informações da Polícia de que os feridos morreram na Emergência.



Ônibus

A matança generalizada na Messejana aconteceu cerca de três horas após um policial militar se assassinado também naquele setor da Capital. O PM identificado apenas como soldado PM Serpa, que era destacado no 17º BPM (Conjunto Ceará), foi baleado ao reagir contra assaltantes na Lagoa Redonda.
No momento do assalto, o militar e sua esposa estavam na companhia de amigos em um campo de futebol society, quando uma dupla armada apareceu. A mulher do PM foi rendida. Mesmo desarmado, Serpa reagiu. Travou uma luta corporal com um dos assaltantes, mas foi atingido com um tiro na cabeça. Ele ainda chegou a ser socorrido, mas morreu na emergência do IJF-Centro.

A Polícia não informou se há algum tipo de ligação entre a morte do soldado e a sequência de tiros nos bairros próximos onde ocorreu o assalto ao PM.


SSPDS MONTA FORÇA-TAREFA PARA INVESTIGAR CHACINAS E HOMICÍDIOS


Foto: DN
Quatro delegados da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) já estão atuando diretamente no caso. Há três linhas de investigação, segundo o secretário-adjunto da SSPDS, coronel Lauro Prado.

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) montou uma força-tarefa para investigar as pelo menos 11 mortes e cinco lesões corporais provocadas por disparos de arma de fogo, registradas na madrugada desta quinta-feira, 12, na Grande Messejana, em Fortaleza. Quatro delegados da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) já estão atuando diretamente no caso. Eles terão o apoio de todos os demais delegados da DHPP, que utilizam três principais linhas de investigação, segundo o secretário-adjunto da SSPDS, coronel Lauro Prado.

1ª linha de investigação

A primeira linha de investigação aponta para retaliação pela morte do policial do 16º Batalhão da Polícia da Militar (BPM) Charles Serpa, durante tentativa de assalto, na Lagoa Redonda, na noite desta quarta-feira, 11.
Charles estava jogando futebol no campo do Uniclinic, quando foi tentar defender a esposa que estava sendo assaltada. Ele estaria desarmado e entrou em luta corporal com o homem. Charles foi alvejado com um tiro na nuca e não resistiu.


2ª linha de investigação

Outra hipótese é a de que as mortes estejam relacionadas à execução de Lindemberg Vieira Dias, de 31 anos, que foi alvejado com 32 tiros, na tarde de ontem, 11, no encontro do 4º Anel Viário com a avenida Osório de Paiva, em Maracanaú, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). Lindemberg havia sido liberado no mesmo dia da Unidade Prisional Desembargador Adalberto de Oliveira Barros Leal, conhecido como Carrapicho, na Caucaia, onde estava preso por tráfico de drogas.
Solto por força de um alvará, ele dirigia sozinho uma caminhoneta modelo Hilux quando homens em três veículos passaram a persegui-lo. Conforme o delegado da DHPP Fábio Torres, o crime pode ter sido motivado por disputa territorial para o tráfico de drogas no Conjunto João Paulo II, na Grande Messejana. “Ele tentou fugir e, na rotatória, foi alvejado e o carro capotou. Um dos homens que estavam nos veículos desceu, efetuou mais disparos contra a vítima e fugiu”, detalhou Torres.

3ª linha de investigação

Por fim, também está sendo apurada a informação de que as execuções estejam relacionadas à prisão de Carlos Alexandre Aberto da Silva, 39, conhecido como Castor, na terça-feira, 10. Apontado como líder do tráfico de drogas no Jardim das Oliveiras, ele possui antecedentes criminais por tráfico de drogas, porte e posse ilegal de arma de fogo, ameaça, homicídios e tentativa de homicídio.Castor estava com três mandados de prisão em aberto e foi capturado numa chácara, em Pacatuba, também na RMF.
Na ocasião, um fuzil 556 e uma pistola calibre ponto 45 foram apreendidas. A Polícia trabalha com a informação de que o grupo ligado ao preso estaria tentando descobrir quem repassou as informações que levaram a prisão dele. “Todas as possibilidades serão apuradas. Não podemos descartar nenhuma das linhas de investigação”, disse o coronel Prado.

Força-tarefa

Em nota oficial, a SSPDS informou que também devem dar apoio à apuração equipes da Unidade Tático Operacional (UTO), da Divisão Antissequestro (DAS) e dos 6º e 35º Distritos Policiais, além de agentes da inteligência, que estão realizando investigações na Área Integrada de Segurança 4 (AIS-4), encabeçada pela Messejana.

Operações de saturação estão sendo realizadas na região por policiais militares do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), do Batalhão de Policiamento de Rondas de Ações e Intensivas e Ostensivas (BPRaio) e do Policiamento Ostensivo Geral (POG).


SECRETÁRIO CHAMA BANDIDOS DE "LIDERANÇAS DA CRIMINALIDADE" E MANDA CONTROLADORIA APURAR DENÚNCIA DE QUE POLICIAIS TERIAM PARTICIPADO DA MATANÇA

Um dia depois da maior chacina ocorrida no Ceará, que deixou 11 mortos em três bairros da Grande Messejana, em Fortaleza, o secretário da Segurança Pública e Defesa Social, delegado federal Delci Teixeira, falou primeira vez à Imprensa no começo da tarde de sexta-feira (13) e  informou ter  acionado a Controladoria Geral de Disciplina do  Estado (CGD) para apurar a denúncia de que “policiais fardados” teriam participado da matança.
Na entrevista ao vivo concedida  à TV Verdes Mares, Delci Teixeira confirmou que a Polícia tem três linhas de investigação para esclarecer os crimes. Duas delas, segundo ele, seriam uma suposta vingança pela prisão e morte de “lideranças da criminalidade” em Fortaleza, e a terceira, o assassinato de um policial militar.
Sobre a terceira hipótese, o secretário afirmou que “para nós fica o questionamento:  por que  seria uma retaliação? Na realidade, a morte do policial não foi em razão de ele ser policial ou  de estar em serviço naquele momento.  Foi uma tragédia que ocorreu no momento em que sua esposa estava sendo assaltada e ele, em sua hora de folga, teria reagido e sido morto. Talvez, as pessoas que o executaram nem soubessem que ele era policial. Então, se esta linha (de investigação) vingar, vai nos surpreender, porque seria uma ação criminosa  e seria totalmente descabida e desmedida. Uma reação tão forte não seria justificada, porque nós temos esse tipo de tragédia todos os dias, as pessoas sendo assassinadas”.  


Jovens executados

Teixeira  revelou, ainda, que já determinou  um levantamento sobre os antecedentes das vítimas da chacina e até o momento foi confirmado que apenas duas delas possuíam registro de passagens pela Polícia, mas por problemas sem nenhuma gravidade. Uma por conta de um acidente de trânsito e outra por causa de pagamento de pensão alimentícia.
Ele disse, ainda, que ficou comprovado que a maioria das vítimas era jovem, sendo alguns adolescentes. “Já sabemos que 50 por cento das pessoas que foram mortas eram menores”.
Por fim, o secretário informou ter tido uma reunião de emergência com o governador do Estado, Camilo Santana, para tratar do assunto e que já acionou a Controladoria Geral de Disciplina para atuar na força-tarefa junto com os setores de Inteligência e a DHPP para esclarecer o fato. Determinou, ainda, um reforço severo no policiamento da região onde os crimes ocorreram, inclusive, com o apoio de helicópteros da Ciopaer. 

Fonte: Blog do Fernando Ribeiro/O Povo/ Camocim Polícia 24h

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.