Seguidores

domingo, 18 de outubro de 2015

É BOM SABER: 7 dicas para evitar muriçocas na casa: de repelente natural à cor das roupas

Cuidados redobrados para evitar os indesejáveis mosquitos como muriçocas, pernilongos, borrachudos vão de repelentes naturais, roupas e temperatura da casa.


Todos eles são indesejáveis (mosquitos como muriçocas, pernilongos, borrachudos, etc), mas quando o assunto é saúde, os cuidados com a proteção precisam ser redobrados. Na maioria dos casos, a reação à picada de insetos é pequena e localizada, sendo os sintomas restritos a uma pequena elevação avermelhada na pele com coceira intensa. Para evitar picadas, apontamos algumas dicas:
1. Repelente: como aplicar e áreas a serem evitadas; posso dormir com o produto?

Após escolher o repelente adequado (se possível com aval de um dermatologista), é necessário alguns cuidados na hora da aplicação. É prudente evitar o uso próximo das mucosas (boca, nariz, olhos, genitais), em pele irritada ou com alguma ferida. Para uso na face, primeiro deve-se passar o produto nas mãos e só então espalhar no rosto com cuidado.
Nunca esquecer de sempre lavar as mãos após espalhar o produto. Além disso, usar a quantidade suficiente para recobrir a pele exposta. Detalhe: não dormir com repelente no corpo (sempre lavar-se antes).
2. Repelente: posso reaplicar quantas vezes em crianças?
Excluir a possibilidade de reaplicações frequentes é um cuidado que muitas vezes passa desapercebido. Também não é prudente utilizar produtos combinados com filtros solares, pois eles costumam ser reaplicados mais vezes. Atenção: os repelentes não devem ser usados mais do que três vezes ao dia (em crianças). Em geral, os repelentes só devem utilizados (dos 6 meses aos 2 anos) - em situações especiais, com orientação e acompanhamento médico.
3. Escolha roupas mais cobertas e brancas; evite coloridas

Escolhido o tipo de repelente (se possível nas crianças, com o devido aval do pediatra), é essencial atentar para alguns cuidados a fim de proteger a pele sensível. Uma delas é vestir roupas brancas, uma vez que as coloridas atraem os insetos, assim como perfumes e o próprio suor.
Também podem ser usadas roupas com fator de proteção, fazendo com que a maior parte do corpo esteja coberta. É aconselhável, sempre que possível, o uso de meias, blusas de mangas compridas e calças de tecidos leves mesmo nos dias quentes, segundo recomenda a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).
4. Dicas para bebês: véus e produtos químicos
Mosquiteiro parece ser coisa do passado, mas não em situações como agora quando os insetos estão em todos os recantos da cidade. Assim como roupas protetoras, os mosquiteiros são os itens preventivos no caso dos bebês com até 6 meses de vida.
Não é recomendada nenhuma substância química na pele ou repelentes elétricos que contenham produtos químicos no local onde a criança se encontra. São ineficazes os dispositivos ultrassônicos e os elétricos luminosos (luz azul).
5. Telas e temperatura da casa: frio ou calor?
Assim como instalar telas nas janelas e portas, é indicado deixar os pequenos em ambiente refrigerado já que os mosquitos gostam de calor e umidade.
6. Folhas de manjericão como repelente natural: com fazer
Coloque folhas secas de manjericão em sachês de organza ou musselina e pendure os saquinhos nos locais ‘preferidos’ dos insetos;
7. Laranja como repelente natural: como fazer

Espete uma laranja inteira com cravos-da-índia e pendure em uma luminária ou em um gancho. Assim, será possível ter um ambiente sem insetos e com aroma de frutas. 
 
Via: Martins News

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.