Seguidores

quarta-feira, 8 de março de 2017

Agentes penitenciários e PMs de Apodi processam maior fabricante de armas do Brasil

‘Pistolas travam e tem risco de disparar sozinhas, isso é um risco para nós que trabalhamos com segurança’, afirmou um agente que preferiu não se identificar



Agentes penitenciários e policiais militares de Apodi entraram com ação contra a fabricante de armas Taurus. Segundo o advogado representante Jorge Gomes, eles compraram a mesma linha de pistolas PT638 para uso particular, as quais apresentaram defeitos como trava durante disparo e o risco de disparo acidental.


As armas compradas pelos agentes e policiais foram para uso pessoal, mas a Taurus é uma das maiores fornecedoras e fabricantes de armas do país, além de deter, pela lei nº 12.598/2012, o direito, quase que exclusivo, de fomentar o mercado de armas das polícias brasileiras. A marca acumula algumas proibições de compras e denúncias em outros estados (como São Paulo), além da proibição feita pelo exército de produção e comercialização de pistolas modelo 24/7 .40 S&W, que apresentaram problemas semelhantes às usadas pelos agentes de Apodi.


Um agente, que preferiu não se identificar, afirmou ao Agora Jornal que os profissionais “já tem uma vida difícil por causa do aumento da criminalidade e o fato de algumas pistolas travarem ou dispararem sozinhas é um grande risco para nós que trabalhamos com a segurança”.


O profissional ressalta que não querem “causar problemas para a marca, mas queremos solução, estamos dispostos a conversar sobre um acordo”.


Outro ponto negativo, na visão do agente, é o fato de não ter assistência técnica da Taurus no Rio Grande do Norte. “Para consertar a arma teríamos que nos deslocar para outro estado, não temos como fazer isso e não podemos também entregar a arma para qualquer pessoa mexer e consertar”, contou o agente. As assistências mais próximas da marca estão localizadas em João Pessoa e em Recife.


Existe também um site chamado “Vítimas da Taurus” que expõe denúncias relacionadas a acidentes com armas da Taurus e medidas contra a marca em todo o Brasil. Atualizado pela última vez em outubro de 2016, a primeira notícia do site mostra a proibição de venda das armas Taurus para a polícia militar de São Paulo por dois anos.


O processo foi protocolado na quinta-feira (02), na Comarca de Apodi, e tem como responsável o juiz Eduardo Neri. Os próximos passos são a intimação da empresa, para que essa apresente contestação, e o agendamento da audiência.


Tauros é uma das maiores fornecedoras de armas do governo brasileiro


Sendo uma das maiores fornecedoras de armas para o governo brasileiro, a Taurus possui armamento distribuídos pelo país. Segundo o Major Eduardo Franco, da Polícia Militar, as armas usadas pela corporação são da Taurus e da Imbel. Além da PM, a Taurus fornece também para as outras polícias no Rio Grande do Norte.


Em 2012, o governo de São Paulo doou à polícia militar do Rio Grande do Norte 5 mil pistolas PT 100, calibre .40, da marca Taurus. A doação foi feita por meio do Decreto nº 58.182/2012, que dispõe sobre a doação do material bélico às Polícias Militares especificadas. Ao todo, 19 mil pistolas foram doadas, incluindo estados como Acre, Alagoas, Piauí, Rondônia, Roraima e Maranhão.


As armas estão em uso no RN e, de acordo com o que o Major Franco, não se soube de casos de defeito dentro do montante das pistolas recebidas pelo governo. “Inclusive, a minha já vai com mais de mil tiros e nunca apresentou defeito”, declarou.


O Major ressaltou ainda que a participação dos policiais militares na ação contra a Taurus é de cunho individual e não foram demandadas pela corporação, bem como não reflete seus interesses e questões.


Agora RN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Recent Visitors